quarta-feira, 6 de outubro de 2010

Meditação matinal 06/10/2010

6 de outubro Quarta


Ele amou até o fim


Sabendo Jesus que era chegada a Sua hora de passar deste mundo para o Pai, tendo amado os Seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim. João 13:1

Lia já havia tido seis filhos, mas Raquel continuava sem nenhum. Toda vez que ela ouvia a voz dos filhos de Lia, na tenda ao lado, ela sentia inveja, aflição e culpa. A única vez em que ela e Jacó tiveram uma rixa foi quando, em desespero, ela disse a Jacó: “Dá-me filhos, senão morrerei” (Gn 30:1).

Não poder conceber filhos era um vexame para as mulheres daquele tempo. Sara, Rebeca e Raquel, três belas mulheres, foram estéreis durante algum tempo, e foi preciso a ajuda divina para solucionar o problema. Ao exigir que Jacó lhe desse filhos, Raquel talvez estivesse querendo dizer que as orações persistentes de Jacó poderiam convencer Deus a torná-la fértil.

Mas Jacó não aceitou essa insinuação e respondeu com raiva: “Acaso, estou eu em lugar de Deus que ao teu ventre impediu frutificar?” (v. 2). Com o tempo, porém, Deus atendeu ao clamor de Raquel e ela deu à luz a José. Então os muitos anos em que ela esperou esse filho lhe pareceram como poucos dias, como foram os anos em que Jacó esperou por Raquel. A maternidade a fez esquecer rapidamente todos os desgostos e decepções pelos quais havia passado.

Após vinte anos de trabalho em Harã, Jacó voltou a sua terra natal com as duas esposas e servas e todos os filhos que haviam tido. Um dia, no caminho de Betel para Belém, Raquel teve um parto difícil. O filho se salvou, mas ela não. Com o coração quebrantado, Jacó olhou pela última vez para aquele belo rosto pelo qual se apaixonara. Raquel havia sido a mulher da sua vida, e Jacó a amou até que a morte os separou.

Agora, seu amor por Raquel foi transferido para o filho José, a quem amava mais do que aos outros. Um dia, porém, os outros filhos chegaram em casa com uma notícia trágica: José havia sido morto por um animal.

Mais lágrimas. Jacó já havia bebido o suficiente do cálice da amargura. Mas Deus lhe reservava ainda uma alegria. Vinte e dois anos se passaram. E então ele recebeu uma notícia maravilhosa: José estava vivo! Jacó quase desmaiou. Era bom demais para crer. Mas desta vez os filhos estavam falando a verdade. Jacó foi para o Egito, abraçou o filho querido e lá viveu por dezessete anos. Sua vida, cheia de altos e baixos, de alegrias e tristezas, de beijos e lágrimas, terminou em paz.

Jacó amou Raquel até o fim. E isto nos lembra que Jesus, “tendo amado os Seus que estavam no mundo, amou-os até ao fim”.

Fiquem com Deus,

Nenhum comentário:

Postar um comentário