quinta-feira, 14 de outubro de 2010

Meditação matinal 15/10/2010

15 de outubro Sexta


Casado com uma prostituta?


Quando, pela primeira vez, falou o Senhor por intermédio de Oseias, então, o Senhor lhe disse: Vai, toma uma mulher de prostituições e terás filhos de prostituição, porque a terra se prostituiu, desviando-se do Senhor. Oseias 1:2

Conheci um homem que se casou com uma prostituta. Ele a tirou do bordel onde ela recebia os clientes e se casou legalmente com ela.

Tiveram um filho e, durante muitos anos, viveram como um casal normal. Então, parece que ela sentiu saudade da vida anterior e passou a se encontrar furtivamente com um amante. Não sei se o marido descobriu sua infidelidade.

Como igreja, normalmente aconselhamos nossos moços que se casem castos, com moças virgens, embora isto esteja se tornando cada vez mais difícil nos tempos de permissividade em que vivemos.

Agora imagine-se nos tempos do Antigo Testamento, em que o adultério era punido com a morte por apedrejamento e a prostituição era uma figura daqueles que se afastam de Jeová, entregando-se ao culto de outros deuses.

Dentro desse contexto você recebe uma revelação divina ordenando-lhe casar-se com uma prostituta. O mínimo que você faz é balançar a cabeça em atitude de perplexidade. Pois tal foi a ordem divina ao profeta Oseias: ele deveria casar-se com uma prostituta.

Essa ordem parece tão estranha, que alguns comentaristas preferem acreditar que se trate de uma alegoria. Outros pensam que a expressão “mulher de prostituições” apenas descreve a origem dessa mulher, e não necessariamente o seu caráter. O fato, porém, é que ela, depois de estar casada e com três filhos, abandonou a família e foi viver com um amante.

Oseias sofreu a dor do abandono, da rejeição e da traição. Em meio a esse sofrimento, Deus lhe diz: “Vá procurar sua mulher e volte com ela para casa. Ame-a, embora ela goste de trair você com outros homens.” A razão dessa ordem é dada no mesmo verso: “Porque o Senhor ainda ama Israel, embora os israelitas estejam adorando outros deuses e oferecendo belos presentes aos ídolos” (Os 3:1, BV).

A experiência do profeta Oseias é uma ilustração do amor divino. Por que é que Deus ama tanto Seu povo, mesmo depois de ter sido abandonado e traído? É porque o amor é o supremo atributo de Deus, e Ele não quer que ninguém pereça, “senão que todos cheguem ao arrependimento” (2Pe 3:9).

Fiquem com Deus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário