quarta-feira, 13 de outubro de 2010

Meditação matinal 13/10/2010

13 de outubro Quarta


Virtudes infantis


Em verdade vos digo que, se não vos converterdes e não vos tornardes como crianças, de modo algum entrareis no reino dos céus. Mateus 18:3

Ontem, vimos algumas virtudes infantis. Mas há várias outras qualidades que se salientam nas crianças, como fé, sinceridade e franqueza. Vejam, a seguir, algumas cartas escritas por crianças ao pastor de sua igreja:

“Querido Pastor! Preciso dar graças antes de cada refeição? Mesmo quando tem rabanetes e almeirão?” – Beth, 9 anos.

“Querido Pastor! Por favor, faça uma oração pela minha professora. Ela está doente e se o senhor fizer uma oração ela ficará melhor e voltará para a classe.” – Susana, 9 anos. P.S. “Alguns meninos de minha classe disseram que eu não devia escrever esta carta.”

“Querido Pastor! Eu queria que meu pai fosse um pastor, assim ele teria de trabalhar só um dia por semana também.” – Fred, 9 anos.

“Querido Pastor! Ore por mim amanhã. Penso que vou esquecer de fazer meu trabalho de casa.” – Estevão, 10 anos.

“Querido Pastor! O senhor acha que Deus sabe meu nome? Até minha professora não sabe meu nome e eu estou em sua classe por 2 anos.” – Franklin, 10 anos.

Sem dúvida, franqueza, sinceridade e inocência são qualidades maravilhosas, que todos nós deveríamos possuir. Mas há três virtudes que tornam a criança um símbolo dos cidadãos do Reino:

1. Humildade. A criança não deseja salientar-se. Ela prefere passar despercebida. É claro que há crianças exibidas, mas isso é mais raro, e é quase sempre o resultado do tratamento inconveniente por parte dos adultos.

2. Confiança. Até certa idade, a criança pensa que seu pai sabe tudo, e que sempre está certo. Quando se torna adolescente, pensa que ele está sempre errado. Mas a criança, instintivamente, confia nas pessoas que imagina saberem das coisas. E também confia nas pessoas que não conhece, pois ainda não aprendeu a desconfiar do mundo. Essa é uma virtude que existe nas almas puras, herdeiras do Reino.

3. Dependência. O adulto é autossuficiente, enquanto a criança é totalmente dependente de outro indivíduo para sua sobrevivência. Esta é uma característica exclusiva de uma criança pequena, e foi isso que Jesus quis dizer ao afirmar que se não nos tornarmos como crianças, não entraremos no reino dos céus.

No parachoque de um caminhão estava escrito: “Deus sem você é Deus. Você sem Deus é nada.” Grande verdade. Reconheçamos nossa constante dependência dEle.

Fiquem com Deus!

Nenhum comentário:

Postar um comentário